1
entrevista
LANÇAMENTO

"O jornalismo oxigena a vida pública"
Por Humberto Pereira da Silva

O diretor de Redação da "Folha", Otavio Frias Filho, fala sobre seu novo livro, “Seleção Natural”, com 25 ensaios sobre cultura e política

No mundo atual, cuja característica pregnante é a especialização, a maioria dos jornalistas fica confinada a uma área restrita de atuação: encontrar um fio condutor que ligue a multiplicidade de caminhos da cultura e da política e pontificar em seus diversos campos é um desafio que poucos enfrentam.

Na contracorrente da máxima de que a cada um está reservado nicho próprio de atuação, Otavio Frias Filho, diretor de Redação da “Folha de S. Paulo”, mantém, com espírito polimático, fértil produção intelectual, na qual transita com igual desenvoltura e inteligência refinada da crítica de cultura ao comentário político. É também dramaturgo bissexto, autor de "Tutankaton" e "Típico Romântico", e já publicou, entre outros, os livros "Queda Livre" (2003, Companhia das Letras) e "De Ponta-Cabeça" (2000, ed. 34).

“Seleção Natural: Ensaios de Cultura e Política” (Publifolha), sua obra mais recente, atesta mais uma vez a sua capacidade de refletir sobre os mais variados temas, numa linguagem tão límpida quanto envolvente.

O livro reúne 25 ensaios concebidos ao longo dos últimos 23 anos, que tratam do cinema (Abel Gance, Coppola e Truffaut, entre outros), do teatro (Heiner Müller, Nelson Rodrigues e "Hamlet"), da literatura (Dostoiévski, Orwell e Monteiro Lobato) e mesmo da filosofia política (Tocqueville). O autor também não desvia o olhar de fenômenos midiáticos contemporâneos, como o da princesa Diana, e de debates candentes da época, como a teoria da evolução e o fim da história. No conjunto, os textos revelam sobretudo um intelectual preocupado com o presente, nesta época que não valoriza essa forma de inquietação, como realça Marcelo Coelho no posfácio,.

"Quando escrevo textos como estes, penso que o tema ostensivo é um pretexto para discorrer sobre outro tema subjacente", explica Frias Filho na entrevista a seguir.

Autor da célebre "Carta Aberta ao Sr. Presidente da República", publicada na "Folha" (em 25/4/1991) e dirigida a Fernando Collor de Mello às vésperas da renúncia (1992), o jornalista diz hoje que o governo do ex-presidente "foi bonapartista", tentando pairar sobre a sociedade e confrontar todos os grupos de influência ao mesmo tempo. "Caiu, provavelmente, por isso", diz. A "Carta" é reproduzida no livro.

Frias Filho também reflete na entrevista sobre o jornalismo atual, que para ele conserva, entre suas funções primordiais, a de "oxigenar a vida mental pública por meio da controvérsia e do debate".

***

Começo pelo último ensaio do livro, “A Descendência de Darwin”. Nele, à medida que você expõe a teoria evolucionista de Darwin, o que fica como interrogação é: no comportamento humano, qual seria a fronteira entre o que é natural e o que é adquirido?

Otavio Frias Filho: Acho que não existe, provavelmente, uma fronteira, mas uma superposição de elementos inatos e adquiridos. Também penso ser provável que em última análise os elementos adquiridos atuem no sentido de reforçar os inatos.


Com esse artigo, que dá título ao livro, você quis sugerir que optou pela “seleção” de seus textos do passado que não ficaram premidos pela urgência e contingências do momento em que foram escritos? A respeito do publicista português Victor Cunha Rego, você pondera que seus escritos sofrem as vicissitudes do texto jornalístico: premido entre a véspera e o dia seguinte, acabam presos às contingências.

Frias Filho: Quando escrevo textos como estes, coletados no livro "Seleção Natural", penso que o tema ostensivo é um pretexto para discorrer sobre outro tema subjacente. Por exemplo, a pretexto de comentar o filme "Peggy Sue", de Francis Coppola, abordo a sensação de que o tempo emocional não é mais capaz de fluir. Ou, a pretexto de falar sobre o jornalista Victor Cunha Rego, escrevo sobre uma geração de intelectuais que se viu dividida entre a esperança de reforma social e o horror ao totalitarismo de esquerda. E assim por diante. O título, bela ideia do editor Arthur Nestrovski, faz um trocadilho, pois além de o livro terminar com o texto alusivo ao darwinismo, do volume constam textos que a meu ver sobreviveram à passagem dos anos.


Ao tratar de “seleção natural”, como você vê o embate entre o discurso da ciência e o da moral, presente em debates recentes, como o da proibição do fumo em ambientes fechados. O que a discussão sobre “seleção natural” nos ensinaria a respeito do hábito de fumar?

Frias Filho: Para além da dependência química, que é um fato objetivo, concordo com os que pensam que fumar corresponde ao impulso de morte, presente em todo ser vivo, de que fala a psicanálise. O que está ocorrendo em nossa época, na minha opinião, é que a longevidade média alcançada pelo ser humano ao longo do século 20 torna irracionais hábitos que tinham sua lógica numa sociedade em que a expectativa de vida era pouca. Em outras palavras, se você está numa trincheira na guerra, fume muito. Se vive num ambiente em que provavelmente chegará aos 90 ou mais, fumar implica uma espécie de suicídio por câncer. Ora, há formas menos dolorosas de se matar.


Ainda no ensaio sobre a descendência darwinista, como fica o mito da neutralidade científica? Penso que dessa questão se possa derivar a da autonomia jornalística.

Frias Filho: Penso que não existe neutralidade científica como um valor absoluto, mas que fazer ciência é buscar aproximar-se desse horizonte, que recua conforme avançamos rumo a ele. Algo semelhante, de fato, poderia ser dito sobre a neutralidade jornalística.


Nos primeiros textos do livro você comenta alguns filmes marcantes dos anos 80: “Blade Runner”, “Peggy Sue - Seu Passado a Espera”, filmes sobre a Guerra do Vietnã... A se tomar o cinema por referência, como você vê a percepção do presente para cada geração?

Frias Filho: O cinema funcionou como uma forma de esperanto na minha geração (a expressão é do poeta e crítico Nelson Ascher). Por isso, ao abordar temas como presente, passado, história, mercadoria, psicanálise etc. tomei como pretexto certos filmes que me agradavam ou interessavam na juventude. Adotei essa linguagem, que era a minha e de meus amigos.


Você acredita que para a geração atual assistir a um filme sobre a Guerra do Vietnã –“Apocalipse Now”, “Platoon” ou “Nascido para Matar”- tem o mesmo sentido de apreensão histórica que assistir a um sobre a Segunda Guerra Mundial?

Frias Filho: Não saberia responder. De toda forma, me parece que o cinema sobre a Guerra do Vietnã é mais crítico, analítico etc. do que o cinema americano sobre a Segunda Guerra Mundial. Este ainda é um cinema ingênuo, quando não publicitário.


Um filme com inquietações futurísticas atiça a curiosidade sobre o crivo do tempo. Hoje, ao olhar para um filme como “Blade Runner”, você acredita que nele estão implícitas questões que nos possibilitam compreender melhor o presente?

Frias Filho: Para mim, o que "Blade Runner" e outros filmes comentados no livro atestam é uma percepção inconsciente de que o tempo presente se eternizou, o que é uma forma diversa de dizer que a História provavelmente acabou. Claro que continua a haver guerras, revoltas, 11 de Setembro etc. etc. Dizer que a História acabou significa apenas dizer que não existe no horizonte disponível nenhum modelo alternativo ao capitalismo democrático que pareça capaz de transcendê-lo.


No texto sobre “Peggy Sue”, você fala do encanto que os anos 50 exerceram nas pessoas que viviam nos anos 80. Você cita outros filmes dos anos 80 que têm referências no imaginário dos anos 50: “Veludo Azul”, de David Lynch, “O Selvagem da Motocicleta”, de Francis Coppola. Quando olhamos esses filmes hoje, que sentimentos, ou espírito de época dos anos 80, estariam latentes neles e que nos permitiria vê-los como imagens dos anos 80 e não dos 50?

Frias Filho: Na minha mitologia pessoal, os anos 1950 foram os "últimos" da História. Desde então as representações do real são paródias, pastiche, simulacro (para usar um termo típico dos anos 1980). O que existe de novo, a meu ver, nos anos 1980, é que talvez eles configurem pela primeira vez uma década que é feita da mistura indiscriminada e deliberada de estilos das décadas anteriores. Isso, aliás, apenas se prolongou nos anos 1990 e se propaga ainda mais hoje em dia. A internet é o veículo por excelência da simultaneidade, do cancelamento do tempo.


“Napoléon”, de Abel Gance, filmes sobre a Guerra do Vietnã, “Todos os Homens do Presidente” e mesmo “Cidadão Kane” têm no horizonte a “ficcionalização” de acontecimentos reais. Em que medida, para você, o cinema distorce ou mitifica a realidade?

Frias Filho: Eu diria que sempre, de todas as maneiras, em qualquer caso, até mesmo e sobretudo o cinema documental.


Num mundo em que as pessoas se habituaram à cultura da imagem a impressão de realidade em um filme é mais forte que a realidade tátil exibida numa peça de teatro?

Frias Filho: Diria que sim. E iria até o ponto de dizer que o cinema, como apelo às faculdades sensíveis, é em si superior ao teatro e a todas as outras formas de arte. O cinema é a "arte total" que Wagner via na ópera. Não quer dizer que seja "melhor" em termos artísticos do que o teatro ou a literatura, claro. Aí, cada obra é uma obra, com seu valor intrínseco.


Você observa que, embora a composição de obras de arte seja infinita, a partir de certo momento observa-se escassez no efeito que uma específica expressão artística possa suscitar. Em que medida no mundo em que vivemos há necessidade de fruição de uma obra de arte no mesmo sentido que para gerações passadas?

Frias Filho: Na minha opinião, a obra de arte passou a ter uma dimensão cada vez mais ornamental, por um lado (fica "bem" gostar de arte contemporânea, fica "bem" ter uma tela abstrata cara etc.), e recreativa, por outro (música pop, cinema comercial etc.) É provável que uma verdadeira "fruição" artística seja menor ou mais rara hoje, mas é também provável que sempre tenha sido uma minoria de pessoas, nesta como em outras épocas, as que se dedicam a perseguir algo assim. Comparo o sentimento artístico ao religioso e concordo com quem pensa que a modernidade está matando ambos.


Você afirma que poucos suportam ler Virgílio ou assistir a Racine. Ao mesmo tempo, grande parte do público moderno é refratária ao modernismo. Mas não é o caso de pensar que, com a indústria cultural, o que se mantém é o divórcio entre arte erudita e popular?

Frias Filho: Não sei se há divórcio entre arte erudita e popular, mas talvez a canibalização da arte erudita pela única vertente de arte popular que sobreviveu -e que, além de sobreviver, dominou o mundo: a arte pop integrada ao consumo de massa.


Monteiro Lobato e Nelson Rodrigues são destacados em seu livro porque as obras deles sofreram incompreensões em consequência de posições políticas e ideológicas que tiveram. Como você vê a valorização de uma obra de arte em função do comprometimento político do artista?

Frias Filho: Estou entre os que pensam que arte e política são domínios autônomos. Pode até haver um grande artista que escreve autênticas obras de arte em obediência cega ao Partido: Brecht, por exemplo. Pode haver um cidadão fascista e detestável que tenha sido um grande escritor: Céline, por exemplo (não gosto dele, mas aceito o cânone). Na maioria das vezes, no entanto, a política piora o artista, até porque os artistas quase sempre não entendem nada de política, simplesmente não está em seu repertório. Mas ainda aqui há exceções: Arthur Miller, talvez.


Sobre Alexis de Tocqueville, você ressalta que para ele, na sociedade democrática, os indivíduos estão “aprisionados na vida privada”, imersos na busca de “prazeres materiais” e submetidos à “tirania da maioria”. Essa afirmação diz algo a respeito das constantes crises recentes no Senado Nacional?

Frias Filho: (Risos) Acho que a conexão seria longínqua demais... Mas Tocqueville foi um dos que previram o hedonismo peculiar da nossa época, voltado à maximização dos prazeres e confortos individuais, sim, mas de forma calculista, cultivada a longo prazo, na sombra de uma longevidade estendida.


No artigo sobre o PSDB, você realça que em nossa história o empreendimento eleitoral de FHC não veio como uma onda irresistível, de fora para dentro do Estado, como nas eleições de Getúlio Vargas, Juscelino, Jânio e Collor. As condições que levaram aos anos FHC e o temperamento ambíguo do PSDB dificultam o retorno deste partido ao Planalto?

 
1