1
estante

Carlos Eduardo Lins da Silva

1. Em Busca do Tempo Perdido, de Marcel Proust

Uma sinfonia literária que pode servir como instrumento cartográfico indispensável para o leitor compenetrado se situar na geografia das relações amorosas e compreendê-las em todas as suas complexas dimensões.

2. Auto-de-Fé, de Elias Canetti

Um retrato fantástico (tão surreal que chega a ser realista) da infinita capacidade que algumas pessoas têm de se alienar do mundo e outros seres humanos, por mais que eles as oprimam e atormentem.

3. As Cidades Invisíveis, de Italo Calvino

A descrição de cenários urbanos onde se emaranham complexamente as vidas de pessoas monta um arcabouço referencial que nos permite destrinchar os enredamentos das nossas próprias.

4. Ficções, de Jorge Luis Borges

Jorro de idéias originais, redigidas com elegância e simplicidade raríssimas, que ampliam os horizontes existenciais do leitor aos limites mais extremos das possibilidades.

5. O Homem Sem Qualidades, de Robert Musil

Apesar de inacabado, talvez o romance mais perfeito produzido no século 20, pela profundidade da análise psicológica dos personagens, todos arquétipos de seus contemporâneos ocidentais.

6. O Homem Invisível, de Ralph Ellison

O mais sofisticado relato da condição do negro na sociedade americana na primeira metade do século 20 é também uma descrição acurada de todas as relações entre opressores e oprimidos em qualquer lugar ou tempo.

7. A Montanha Mágica, de Thomas Mann

As transformações na vida de um personagem ao longo de sete anos passados num sanatório funcionam como metáfora das mudanças que puseram fim ao modo de pensar europeu novecentista e resultaram na cultura ocidental contemporânea.

8. A Idade da Razão, de Jean-Paul Sartre

Síntese refinada em ficção do modo existencialista de ver a condição do homem: um ser absolutamente livre para fazer suas escolhas, mas esmagado pelas consequências das alternativas com que se defronta.

9. Memórias Póstumas de Brás Cubas, de Machado de Assis

Vanguardista, original, inteligente, retrata com sutileza e profundidade fundamentos perenes da vida social brasileira e, ao mesmo tempo, características universais da psicologia humana.

10. O Mito de Sísifo, de Albert Camus

“Só existe um problema filosófico realmente sério: é o suicídio. Julgar se a vida vale a pena ser vivida é responder à questão fundamental da filosofia".

.

Carlos Eduardo Lins da Silva
É ombudsman da "Folha de S. Paulo" e autor de "Mil Dias - Seis Mil Dias Depois" (Publifolha) e "O Adiantado da Hora" (Summus), entre outros livros..

 
1